quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Raquel Dodge atribui a Michel Temer transferência de reunião para Jaburu

Raquel Dodge descobriu da pior maneira possível que, em política, todo mal começa com as explicações. Crivada de críticas por encontrar Michel Temer à noite, no Palácio do Jaburu, a futura substituta do procurador-geral da República Rodrigo Janot mandou divulgar uma nota, em pleno domingo, para se explicar. A nova chefe do Ministério Público da União atribuiu ao investigado Temer a escolha do horário e do local do encontro. “Os fatos que motivaram a reunião são institucionais”, diz o texto da nota.

A procuradora-geral informa que pediu uma audiência formal com Temer. O pedido foi enviado em e-mail da Procuradoria, no dia 7 de agosto. Nessa versão, a conversa foi marcada para o dia seguinte, terça-feira. Não há vestígio do compromisso no rol de audiências do presidente. “…Sempre constou da agenda de Raquel Dodge”, esclarece a Procuradoria, com cinco dias de atraso.

Ao convidar Michel Temer para sua posse, Raquel Dodge deu uma demonstração de civilidade. Embora tenha sido denunciado por corrupção passiva, o personagem não deixou de ser presidente da República. A Câmara impediu que o Supremo Tribunal Federal o afastasse. Mas não há fato institucional que justifique o vaivém da procuradora para assegurar a presença de Temer na solenidade. O presidente vai viajar? Ora, paciência. Sua ausência preencheria uma lacuna.

Leia AQUI a íntegra da nota.

Fonte: Blog do Josias de Souza