domingo, 13 de agosto de 2017

Exemplo de pai para filho incentiva doação de sangue

Ir ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), para o guarda municipal Leonardo Rivera, 40, é um programa para ser feito na companhia do filho. Doar sangue no Hemoce, unidade da rede pública do Governo do Ceará, faz parte da rotina da família Rivera. Foi aos 18 anos, durante uma coleta externa do Hemoce, que Leonardo doou sangue pela primeira vez. “Desde aquele dia, eu passei a entender que aquela ação servia para salvar vidas e por isso não parei mais de doar”, diz. A partir da própria experiência, o guarda municipal passou a incentivar outras pessoas a terem a mesma atitude e quando se tornou pai, o exemplo não podia ser diferente, foi repassado para o filho. “Eu sempre falei para os meus filhos sobre a importância de doar, sobre ser solidário, porque eu acredito que um relacionamento entre pai e filho tem que ser assim, pregando os bons exemplos”, enfatiza. E os ensinamentos do Leonardo foram seguidos pelo filho. Aos 17 anos, Leonardo Júnior fez a primeira doação de sangue. “Antes mesmo de completar a idade certa, eu já ficava perguntando ao meu pai se eu podia doar e quando isso poderia acontecer, porque eu já tinha aquela vontade dentro de mim de ajudar as pessoas. Acho que isso veio de herança genética, porque meu pai é uma referência na minha vida, ele sempre teve uma influência enorme nas minhas atitudes,” afirma o jovem doador.

Sentimento de realização para o filho, motivo de orgulho para o pai. “Eu sinto uma alegria imensa de ver meu filho seguindo o caminho do bem, da solidariedade, porque a gente sabe que nesse mundo a gente colhe o que planta, então porque não plantar o bem?”, fala Leonardo Rivera. Hoje, pai e filho são doadores regulares de plaquetas do Hemoce e sempre vão ao Hemoce acompanhados um do outro.

Na última quarta-feira, 9, não foi diferente. Eles realizaram a doação de plaquetas por aférese. O procedimento é feito através de equipamento apropriado para retirar somente um hemocomponente do sangue. Leonardo Rivera tem registrado no cadastro do Hemoce 71 doações de sangue convencional e plaquetas por aférese e Leonardo Júnior tem 18. Juntos, eles já realizaram 89 doações sanguíneas e ajudaram muitos pacientes que necessitam de transfusão de sangue. “Enquanto for possível, a gente vai doar. Vamos vir juntos e motivar muitas e muitas pessoas para serem doadoras de sangue”, declara Leonardo Júnior.

Como doar sangue
Para se candidatar à doação de sangue é necessário estar saudável, bem alimentado, com idade entre 16 e 69 anos, e apresentar um documento oficial e com foto. Os menores de idade devem apresentar o termo de consentimento assinado pelos pais ou responsável legal e anexar a cópia de documento oficial com foto do representante legal. O termo de consentimento está disponível para download no site do Hemoce (www.hemoce.ce.gov.br). Todo o processo de doação leva em média de 40 a 60 minutos. Com apenas uma bolsa de sangue é possível salvar de três até quatro vidas já que o sangue doado é dividido em diferentes componentes. Os homens podem doar a cada dois meses, até quatro vezes por ano e as mulheres a cada três meses, no máximo três vezes ao ano.
 
(com informações da Assessoria de Comunicação do Hemoce)