sábado, 15 de julho de 2017

Lindbergh defende que PT não lance candidato se Lula for impedido

O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), defendeu na última quinta-feira (13) que o partido não lance candidato à Presidência caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impedido de concorrer. Segundo ele, a proposta está em discussão dentro do partido. O líder disse que o PT lançaria candidatura aos demais cargos, à exceção da Presidência.

"Vamos eleger uma bancada denunciando o golpe", disse o líder ao ser questionado sobre o impacto do boicote nas candidaturas ao Congresso. O presidente da CUT, Vagner Freitas, anunciou a realização de atos no dia 20 com o mote "eleição sem Lula é fraude".

Esse foi também o discurso da presidente do PT, Gleisi Hoffmann. O tesoureiro do PT, Emídio de Souza, descartou no entanto a ideia de um plano b para o partido. "Só temos plano A". O ex-ministro Jaques Wagner discorda da proposta de Lindbergh. Segundo ele, "até 2018, o PT vai defender a candidatura de Lula". O PT conta com a concessão de liminares que viabilizem a candidatura do ex-presidente, a exemplo dos fichas sujas que obtiveram na Justiça o direito de concorrer.

"Ninguém vai chegar a 2018 e defender o voto nulo", descartou Wagner, que esteve com Lula para planejamento de uma viagem do ex-presidente a todos estados do Nordeste no mês de agosto.

Para o ex-ministro Tarso Genro, esse tipo de debate não favorece a estratégia partidária neste momento. "Acho que as balizas políticas e a regras jurídicas pelas quais a eleição vai se realizar ainda não são visíveis, por isso é cedo para tomar uma posição sobre isso", disse Tarso.

Segundo o ex-ministro Gilberto Carvalho, "há muito debate pela frente". "Mas acho que é cedo. Temos que apostar na reversão da decisão em Porto Alegre e construir desde agora, com a devida prudência, a candidatura do Lula".

(com informações da Folha de São Paulo)