quarta-feira, 7 de junho de 2017

Temer pede 5 dias para provar honradez

Michel Temer teve um dia de prazo para rebater as suspeitas e insinuações escondidas atrás das 82 perguntas que recebeu da Polícia Federal. A julgar pelo teor das questões, a honestidade é uma virtude que os investigadores suspeitam que o presidente da República não possui. E a defesa de Temer informou ao Supremo Tribunal Federal que o presidente precisa de pelo menos quatro ou cinco dias para demonstra sua honradez.

Em petição endereçada ao ministro Edson Fachin, do STF, os advogados de Temer anotaram: “Em face da complexidade e da surpreendente quantidade dos quesitos formulados (82), entende-se ser absolutamente impossível e contrário ao princípio da razoabilidade exigir-se uma manifestação do Sr. presidente da República no exíguo prazo de 24 (vinte e quatro) horas. […] o Sr. presidente da República considera que estará habilitado para a análise e para a deliberação sobre as questões ofertadas até o final da presente semana (dias 9 ou 10).”

Os doutores esclareceram que não será tarefa simples para o presidente responder por escrito ao interrogatório da PF. “A análise de cada uma das oitenta e duas indagações imporá um grande esforço de S. Excelência, que não poderá descuidar das obrigações inerentes ao cargo, dentre as quais a de cumprir a sua carregada agenda, marcada por compromissos que lhe ocupam mais de quinze horas por dia.”

O ministro Fachin esticou o prazo concedido a Temer até sexta-feira. Quer dizer: Temer pediu até cinco dias e levou quatro. O brasileiro comum, depois de assistir nos telejornais noturnos aos pronunciamentos em que Temer esbravejou contra o delator falastrão Joesley Batista, recriminando-o por gravar clandestinamente um presidente de bem, ouve uma voz que vem do fundo da consciência: “Cinco dias para demonstrar que não fez nada de errado?!?!? Hummmmmm!!!!”

(com informações do Blog do Josias de Souza)