segunda-feira, 12 de junho de 2017

No Recife, Ciro Gomes pede “o povo nas ruas”

Potencial candidato à presidência da República em 2018, o ex- governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), participou no Recife do seminário sobre “Crise política, economia e políticas públicas no Brasil” e conclamou a população a ir às ruas para “esquentar” o debate e ficar no encalço dos deputados e senadores como forma de pressão para o país entrar nos trilhos. O evento foi promovido pela Virtú Consultoria Política, empresa júnior do curso de Ciências Políticas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

De acordo com ele, o país vive a pior encruzilhada da sociedade moderna. Para Ciro Gomes, o Brasil precisa refundir seu programa nacional de desenvolvimento e começar do zero. Em sua avaliação, é preciso que o povo saia do estado de letargia e passe a reagir contra a crise econômica e os desmandos do governo Temer. “O povo anda catatônico e quieto. Só o povo na rua, esquentando a lenha de deputados e senadores, indo para casa deles, acossando para mudar essa realidade. Fora isso não vamos conseguir”, afirmou.

Para Ciro Gomes, o resultado do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que inocentou a chapa Dilma-Temer, só reforçou a descrença nas instituições brasileira, mas serviu para o Tribunal se expor. “As instituições no Brasil estão colapsadas, não estão funcionando. A presidência foi usurpada e o Congresso virou casa de Mãe Joana. O Judiciário não está fazendo seu serviço. Estamos a caminho da barbárie, do estado de anarquia”, enfatizou.

Segundo o pedetista, um dos maiores problemas é que o país não tem projeto de desenvolvimento e o colapso das finanças públicas é alarmante. “Agora não tem puxadinho, O impeachment (de Dilma) aconteceu porque mentimos, desconstituímos do povo. Trocamos projeto de país por projeto de poder. O Brasil precisa de um projeto nacional de desenvolvimento. Se não consertamos as finanças não vamos sair desse colapso”, afirmou.

Ao ser questionado se seria candidato em 2018, o ex-senador afirmou que política se faz nas ruas. “Política se faz ouvindo as pessoas. Não é pelo computador. É preciso correr o risco de pegar gripe. É preciso se comprometer com o coletivo”, destacou.

(com informações do Diário de Pernambuco)