segunda-feira, 12 de junho de 2017

Empresários e moradores temem enxurrada de turistas com a chegada de aeroporto em Jeri

A inauguração do Aeroporto do Pólo Turístico de Jericoacoara, previsto para o dia 24 de junho, traz preocupações de ordem ambiental. Há o temor de que o aumento no número de visitantes esperado possa refletir em um turismo predatório, descaracterizando o ecossistema da região, um dos paraísos turísticos do Brasil mais conhecidos no mundo.

Os impactos são admitidos pelo Governo do Estado. Para contorná-los, a Secretaria de Turismo (Setur) anunciou o planejamento de uma série de ações em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), “para preservar as características de Jeri”.

“Estamos trabalhando para melhorar e controlar acesso, estacionamento, coleta de lixo, água, esgoto, entre outras questões”, afirmou o secretário Arialdo Pinho. Fazem parte do esforço as prefeituras de Jijoca de Jericoacoara, Camocim e Cruz.

Segundo o chefe do PNJ, Jerônimo Martins, as medidas incluem, dentre outras, delimitação da Unidade de Conservação (UC), otimização da gestão de resíduos sólidos e líquidos, melhoria das principais vias internas destinadas a veículos autorizados, controle do acesso nos quatros postos de informação e a retirada de rebanhos bovino e asininos da unidade.

O aeroporto
Com a inauguração do aeroporto, que fica no município vizinho de Cruz, a distância entre Fortaleza e Jericoacoara deve cair de cinco para uma hora de viagem. Conforme a Setur, já estão confirmados voos para o dia 24 de junho, São Paulo (Congonhas)/Jericoacoara, pela companhia aérea Gol, e, a partir de julho, dois pela Azul — Campinas/Jericoacoara (semanal) e Recife/Jericoacoara (quatro vezes por semana).

Na última quinta-feira (1º), a CVC anunciou já estarem à venda os pacotes da viagem Congonhas/Jericoacoara. A viagem custa a partir de R$ 1.598 por pessoa para um pacote de oito dias, já contando serviços como hospedagem. O investimento total no aeroporto foi orçado em R$ 73,9 milhões, custeados pelo Tesouro do Estado e pelo Ministério do Turismo.

(com informações do Tribuna do Ceará)