segunda-feira, 19 de junho de 2017

Condenação de Lula deve expor divisões do PT

Para a cúpula do PT, o destino penal de Lula deixou de ser um imprevisto. Todo o alto comando da legenda avalia que o líder máximo do petismo está prestes a se tornar o primeiro ex-presidente da história a amargar uma condenação criminal. Paradoxalmente, o partido não se preparou para o previsto. Um membro do diretório nacional do PT, estudioso das diferentes tendências que coabitam a agremiação, prevê que a sentença de Sergio Moro no caso do tríplex “abrirá as comportas da barragem partidária que impede as opiniões divergentes de escorrer.”

Termina nesta terça-feira (20) o prazo para a defesa de Lula entregar a Sergio Moro a petição com as alegações finais dos advogados. O juiz da Lava Jato estará, então, liberado para preferir sua primeira sentença num caso envolvendo Lula. Confirmando-se a condenação, o pajé do PT iniciará uma corrida contra o relógio. Na hipótese de o tribunal federal da segunda instância (TRF-4) endossar o veredicto, Lula ficará inelegível para a disputa presidencial de 2018. E se tornará um candidato imbatível ao cumprimento imediato da pena que Moro vier a lhe impor —incluindo a prisão, se prevalecer a posição defendida pelo Ministério Público Federal.

O planejamento da reação do PT não ultrapassou a fase dos ataques a Moro e aos procuradores da força-tarefa de Curitiba. O PT tratará Lula como um perseguido político da infantaria da Lava Jato, não como um corrupto. No mais, não há consenso quanto à estratégia a ser adotada. Há divergências até mesmo entre os integrantes da tendência majoritária, à qual pertence Lula. Chama-se Construindo um Novo Brasil (CNB). Uma ala, por ora minoritária, defende que o PT se junte à caravana do presidenciável Ciro Gomes, do PDT. Outro grupo prefere uma candidatura própria, a ser alavancada pelo que resta de prestígio a Lula, primeiro colocado nas sondagens eleitorais.

(com informações do Blog do Josias)