segunda-feira, 19 de junho de 2017

Ato por Diretas reúne milhares no centro de BH, e Ciro conclama povo contra "tragédia"

Um ato em defesa de eleições diretas e pela saída do presidente Michel Temer (PMDB) reuniu cerca de 40 mil pessoas nesta sexta-feira (16) em Belo Horizonte, conforme estimativa dos organizadores - a PM informou que não informará uma contagem oficial.

O evento contou com a participação dos ex-ministros José Eduardo Cardozo (PT-SP) e Ciro Gomes (PDT-CE), potencial candidato à Presidência que fez um discurso inflamado conclamando a população a sair às ruas.

"Só um milagre pode mudar esse caminho de tragédia", bradou o ex-governador, que antes, aos jornalistas, fez duras críticas ao governo Temer e afirmou que só a participação popular permitirá ao país mudar os rumos da política brasileira.

"A probabilidade desses camaradas ficarem aí e executar essa agenda macabra contra o Brasil é muito grande. A única chance, única mesmo, e quem está lhe falando tem experiência, da gente mudar esse quadro por vários caminhos é se o povo brasileiro, apesar de todas as decepções, apesar de toda a descrença, ir para a rua. Se isso acontecer, qualquer milagre a democracia produz", defendeu. "Por isso que eu acho esses atos essenciais. Nós políticos temos que ter a discrição de ficarmos no apoio, na retaguarda, porque nesse momento é o povo brasileiro que precisa se agigantar".

Questionado se vai se candidatar à Presidência em 2018 ou em uma eventual eleição já neste ano, Ciro afirmou que isso dependerá de uma decisão de seu partido. "Nesse momento, o que eu considero vital para qualquer brasileiro, principalmente aquele que tem a responsabilidade que eu tenho, é que saia de casa e ajude a tomar de volta o Brasil dessa quadrilha de salteadores que está infelicitando o nosso povo, principalmente o povo mais pobre", declarou Ciro Gomes.

"O Brasil não está precisando de Francisco e de Maria, o Brasil está precisando de um projeto, e eu vou ajudar a construir esse projeto. Se for a minha tarefa liderar esse grande país no começo desse projeto, eu vou ter muita honra, mas não é essencial a minha candidatura", frisou.

Fonte: UOL