sábado, 11 de fevereiro de 2017

Leônidas Cristino diz que ministro nasceu na região amazônica e não sabe o que é seca

O deputado federal Leônidas Cristino (PDT) reagiu à nota do ministro Helder Barbalho (Integração Nacional), Leônidas disse que o MIN prometeu dinheiro para a seca, mas que se esqueceu de liberar Confira:

O Ministério da Integração Nacional, em nota de 65 linhas, refutou alguns pontos que o deputado federal Leônidas Cristino levantou em relação ao atraso na liberação de R$ 47 milhões para a seca no Ceará e à indefinição na data de retomada das obras de transposição do rio São Francisco. “Contra fatos não há argumentos”, disse o parlamentar cearense, que citou ainda um conselho do ex-governador Virgílio Távora: “humildade perante os fatos”.

Leônidas Cristino observou ser um fato que o dinheiro anunciado pelo governo federal para obras da seca no Ceará não chegou. “Também é um fato que a obra no trecho da transposição do rio São Francisco, que vai trazer água para o Ceará, está parada”, afirmou. “Hoje ninguém sabe ainda quando vai começar a retomada das obras, nem quando vai terminar”, disse ele.

O deputado enfatizou que há uma situação de emergência, diante da ameaça de colapso no abastecimento de água da Região Metropolitana de Fortaleza, com 2,6 milhões de habitantes, caso não haja recarga no Castanhão, hoje com 4% da capacidade. “Em casos de emergência, a lei autoriza dispensa de licitação”, sugere Leônidas Cristino como caminho para o governo federal agilizar a retomada da obra.

Uma segunda opção para resolver o problema, conforme o deputado, é entregar o serviço ao Batalhão de Engenharia do Exército. Outro caminho – indicou Leônidas Cristino – é transferir os recursos para o governo do Ceará fazer a dispensa de licitação e executar a obra.

Em 1993, o Ceará enfrentou a ameaça de colapso no abastecimento de água de Fortaleza com a construção do Canal do Trabalhador, com 120 km de extensão, em 90 dias, por determinação do então governador Ciro Gomes, lembra o deputado. “Como secretário de Infraestrutura, estive na linha de frente desta obra, num momento em que os cearenses estavam angustiados. Quando tive oportunidade, fiz. Isso não é desserviço, é serviço”, afirmou Leonidas Cristino.

O parlamentar cearense atribui a lentidão na resposta ao problema emergencial da seca ao fato do titular do Ministério da Integração Nacional – sem citar o nome do ministro Helder Barbalho – não saber o que é seca, por ter nascido e vivido na região amazônica, de chuvas abundante. “No Ceará, a seca é um fato, daí a preocupação diuturna de garantir água, porque é incerta a temporada de chuvas”.

Leônidas Cristino
Deputado federal do PDT/CE.