segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Ciro Gomes prevê anos difíceis para cidades e aposta na participação popular e inovação para enfrentar a crise

A crise atual do país foi analisada à luz da economia política pelo ex-ministro Ciro Gomes no sábado, dia 27, como conferencista no encerramento do Seminário Internacional de Políticas Públicas Inovadoras para Cidades. O evento, realizado pela prefeitura de Fortaleza, terá segunda edição em janeiro de 2018, garantiu o prefeito Roberto Cláudio à organizadora do seminário, Patrícia Macedo, coordenadora de Relações Internacionais e Federativas de Fortaleza.

Ao abordar o tema “Perspectiva para a vida nas cidades brasileiras nos próximos quatro anos”, Ciro mostrou que os reflexos do desequilíbrio estrutural nas contas do país frente ao dólar afetarão as cidades nos anos seguintes. Os impactos incidirão na alta de preços em serviços e insumos demandados pela administração em áreas como saúde, transportes e outras. O deputado federal Leônidas Cristino participou do evento que reuniu outros deputados e vereadores, lideranças populares, de bairro, de movimentos sociais, empresários, gestores do município, intelectuais e pesquisadores das universidades.

O palestrante recomendou à gestão dar tratos à inteligência, inovar e avançar no empoderamento do controle social com participação popular em serviços de saúde, educação, transportes e outros. Como mecanismos de controle social ele indicou os conselhos populares nos postos de saúde e apontou a opção como meio de combater a desigual distribuição de poder político.

O resultados do evento, que teve a participação do ex-prefeito de Medellín, Aníbal Gaviria, será transformado em livro e adotado na prática pela prefeitura. Ficou a lição: crise é momento de aproveitamento de oportunidades e desafio à criatividade.

O caminho da prefeitura nos próximos anos, disse Ciro Gomes, é o de fazer um esforço na promoção do empreendedorismo e geração de renda com investimento em capacitação e iniciativas de apoio com capital semente e inovação na forma de apoio com aval solidário. Em vez de optar por capacitar ajudante de pedreiro, o ex-ministro vê mais resultado em incentivar atividades da economia pós-industrial como software, arte e cultura.

Fonte: Site do deputado Leônidas Cristino