sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Temer diz 'aproveitar impopularidade'

O presidente Michel Temer disse ontem que está aproveitando a impopularidade de seu governo para tomar medidas consideradas impopulares, mas que, na sua avaliação são "necessárias ao país", como as reformas Trabalhista e da Previdência. "Estou aproveitando a suposta impopularidade para tomar medidas impopulares", completou.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, a popularidade de Temer despencou desde julho, acompanhada da queda de confiança na economia a níveis pré-impeachment de Dilma Rousseff. Segundo o levantamento, 51% dos brasileiros consideram a gestão do peemedebista ruim ou péssima, ante 31%, em julho. Além disso, 63% dos entrevistados querem a renúncia do presidente para a realização de eleições diretas.

Em uma espécie de balanço de seus sete meses de governo, quatro deles como interino, Temer afirmou que reconhece "muitos erros", mas não tem "compromisso" com eles. "Não tenho compromisso com erros. E não me incomoda ler 'Temer recua", declarou, incisivo, o presidente. 

Nos últimos meses, a administração do peemedebista foi marcada por recuos, como a data para o envio da reforma da Previdência ao Congresso Nacional, que foi alterada diversas vezes desde setembro, e, o mais recente, a desistência por parte do governo de enviar a reforma trabalhista por medida provisória ao Legislativo. Temer afirmou que, sobre o assunto, "há o requisito de relevância", mas não o de "urgência" e, portanto, iria discutir o tema no Congresso.

(com Agências)